Alegrar-se é um dever!

Nem todos percebem isso, mas alegrar-se é um mandamento na vida de um discípulo de Jesus. Não é um estado que surge involuntariamente na vida, dependendo das circunstâncias, mas é algo a ser cultivado na vida de todo cristão. Pode parecer absurdo, mas alegrar-se é um dever.

Paulo escreve: “Alegrai-vos sempre no Senhor”. E possível que alguém tenha estranhado esse mandamento, então apóstolo repete com clareza total: “Outra vez voz digo: Alegrai-vos” (Filipenses 4:4). Em outro momento, Paulo escreve: “Regozijai-vos sempre” (I Tessalonicenses 5:16). Já Tiago, numa afirmação ousada, declara que devemos ter por motivo de grande alegria o passarmos por diversas provações (Tiago 1:2). A alegria deve ser um estilo de vida para o cristão. Como isso é possível? 

Antes de tudo, precisamos esclarecer que a Bíblia contempla a possibilidade de um cristão passar pela tristeza. Afinal, a tristeza é uma experiência absolutamente natural diante de certas circunstâncias: quando nos deparamos com nosso próprio pecado, quando perdemos alguém querido, etc. É plenamente possível e natural que o cristão passar pela tristeza. Porém, um cristão nunca deveria permanecer nela. Afinal, nosso estilo de vida é a alegria.

Mas como manter a alegria quando não temos controle algum sobre as coisas que nos cercam? Só mantemos a alegria quando controlamos o nosso interior, o que só é possível com a ajuda do Espírito Santo. Afinal, a alegria é fruto do Espírito Santo (Gálatas 5:32). Precisamos ser cheios do Espírito. Isso nos fará enxergar as coisas sob a ótica de Deus, e entenderemos que todas as coisas cooperam para nossa transformação à imagem de Jesus, para nos moldar ao caráter do nosso Mestre (Romanos 8:28,29). Assim, poderemos ver as provações como intervenções de Deus para completar Sua obra em nossas vidas.

Olhando sob a perspectiva de Deus, nós aprenderemos a dar ordem à nossa alma. Lembremos que em um momento de angústia, o salmista que dá ordem à sua própria alma:

“por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu” (Salmo 42:5).

Em outro texto, o salmista fala com seu interior agitado, lembrando-se da generosidade do Senhor:

“Volta, minha alma, ao teu sossego, pois o SENHOR tem sido generoso para contigo. Pois livraste da morte a minha alma, das lágrimas, os meus olhos, da queda, os meus pés” (Salmo 116:7,8).

Por fim, o salmista ordena sua alma a bendizer ao Senhor, inspirando-nos para um importante exercício espiritual: lembrarmos das bênçãos de Deus.

“Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios” (Salmo 103:1,2).

Enfim, alegrar-se é um dever. Porém, só poderemos cumpri-lo à medida que nos enchemos do Espírito Santo, nos enchemos da Palavra, nos esforçamos para enxergar as coisas sob a ótica de Deus e exercitamos nossa memória para lembrar das benignidades do nosso Deus para conosco, que, com certeza, têm sido muitas.

Em Cristo,
Anderson Paz